EducaPX SitePX AWS Contraste Aumentar/Diminuir a fonte

Mulher

 8 de março, dia internacional da mulher

 

A comemoração desta data simboliza o reconhecimento de todas as conquistas de

mulheres de várias gerações que superaram adversidades, preconceitos e limites,

abrindo caminhos para a valorização da capacidade feminina. É também uma oportunidade

de manifestarmos repúdio a todas as formas de opressão que ainda atingem as mulheres.

 

Conheça a origem da data

Conheça 10 escritoras que marcaram a literatura mundial

Conheça 10 grandes escritoras brasileiras

Conheça livros infantis sobre a força de mulheres reais

Igualdade de gênero

 

Aprecie alguns poemas de Cora Coralina, escritora brasileira cuja obra reflete a força

e a sensibilidade da alma feminina:

 

 "Sou uma mulher como outra qualquer.

Venho do século passado

e trago comigo todas as idades."

Cora Coralina, em Cora Coralina, quem é você?/ Meu livro de cordel - São Paulo: Global, 2013, p.81. 

 

Das Pedras

Cora Coralina

 Ajuntei todas as pedras

que vieram sobre mim.

Levantei uma escada muito alta

e no alto subi.

Teci um tapete floreado

e no sonho me perdi.

 

Uma estrada,

um leito,

uma casa,

um companheiro.

Tudo de pedra.

 

Entre pedras

cresceu a minha poesia.

Minha vida...

Quebrando pedras

e plantando flores.

 

Entre pedras que me esmagavam

levantei a pedra rude

dos meus versos.

Texto extraído do livro Meu livro de cordel - São Paulo: Global, 2013, p.11. 

 

Mulher da vida

Cora Coralina

Mulher da Vida.

Minha irmã.

De todos os tempos.

De todos os povos.

De todas as latitudes.

Ela vem do fundo imemorial das idades

e carrega a carga pesada

dos mais torpes sinônimos,

apelidos e ápodos:

Mulher da zona,

Mulher da rua,

Mulher perdida,

Mulher à toa,

Mulher da vida,

Minha irmã.

Texto extraído do livro Poemas dos becos de Goiás e estórias mais  - São Paulo: Global, 1996, p.201.

 

 A Procura

Cora Coralina

Andei pelos caminhos da Vida

Caminhei pelas ruas do Destino –

procurando meu signo.

Bati na porta da Fortuna,

mandou dizer que não estava.

Bati na porta da Fama,

falou que não podia atender.

Procurei na casa da Felicidade,

a vizinha da frente me informou

que ela tinha mudado

sem deixar novo endereço.

Procurei a porta da Fortaleza.

Ela me fez entrar: deu-me veste nova,

perfumou-me os cabelos,

fez me beber de seu vinho.

Acertei meu caminho.

Texto extraído do livro Meu livro de cordel - São Paulo: Global, 2013, p. 91. 

 

Conheça o videopoema As cocadas, produzido a partir do texto de Cora Coralina.

                                                                                                                                                                                                        

                                                                                                                                                                                                               voltar ao topo                                                                            

left fsN normalcase center tsN fwB show|left fwR tsN hide|left fwR tsN center hide|bnull|||login news c05|fsN normalcase c05 tsN fwB bsd b10|b01 c05 bsd|login news fwR normalcase c05|tsN fwR c05 normalcase bsd b10|normalcase fwR c05|content-inner||